Article image
Luana Musial
Luana Musial18/06/2024 12:31
Compartilhe

"Além da Quantidade: Estratégias para Aprender com Qualidade"



    Desde a época da escola eu ficava muito frustrada por não conseguir me sair bem nas matérias de exatas, por mais que eu estudasse por horas não conseguia fixar muito bem os conteúdos e não compreendia o que fazia de errado.

    Quando estudei lógica de programação pela primeira vez essa angustia dos tempos de escola voltou a me assombrar novamente, perdia horas estudando, tentando entender, vídeos e mais vídeos, anotações e mais anotações, ate achava que havia entendido os conceitos, porém no outro dia quando voltava para os exercícios parecia que nunca tinha visto nada do assunto; me sentia incapaz e era como se eu jamais fosse de fato conseguir aprender. 

    Ate que em um determinado momento, por já não aguentar mais essa situação, resolvi testar alguns métodos que sempre vi muitas pessoas utilizando, mas que, eu mesma, sem nem ao menos ter tentado algum deles antes, tinha a ousadia de discordar e afirmar que não iria funcionar comigo. 

    O primeiro método que coloquei em pratica nos meus estudos foi a técnica de Pomodoro, ela basicamente consiste em dividir o tempo de estudo em intervalos curtos e focados, intercalados por breves pausas.

    E pasmem, em uma semana consegui absorver os conteúdos de lógica de programação que em meses não havia conseguido, foi então que percebi o meu grande erro do passado e que ate então o repetia; estudar precisa ter sentido, estudar precisa ter foco, entretanto, quantidade não significa qualidade. 

    Sempre acreditei que quanto mais horas eu passasse estudando mais conteúdos e informações estaria aprendendo, mas com a técnica de Pomodoro posta em pratica vi o quanto essa crença estava era me prejudicando.

    O nosso cérebro tem limites em termos de absorção de conteúdo e eficiência no processamento de informações. Esses limites são influenciados por diversos fatores, incluindo a capacidade de atenção, a fadiga mental e a forma como o cérebro consolida novas informações na memória; estudos revelam que após 20/30 minutos nosso cérebro sofre um declínio de atenção e a absorção dos conteúdos não tem mais a mesma produtividade inicial. 

    Por esta razão, seguindo a técnica de Pomodoro, recomendasse estudar intensamente por 25 minutos (chamado de um "Pomodoro"), seguido por uma pausa curta de 5 minutos. Após completar quatro Pomodoros, é recomendado fazer uma pausa mais longa de 15 a 30 minutos. Durante cada Pomodoro, o indivíduo se compromete a não se distrair com outras atividades, mantendo o foco exclusivamente na tarefa em questão. 

    Além dessa técnica, prefira fazer anotações com as suas próprias palavras ao invés de copiar exatamente o que o professor esta falando, se você estiver com dificuldades nisso, significa que você precisa rever a aula ou mesmo pesquisar mais sobre o assunto; quando temos certeza dos conceitos expressa-los flui de maneira natural e clara; apenas copiar e repetir o que terceiros nos expõem revela que estamos tentando decorar a informação ao invés de compreende-la. 

    Opte por escrever a mão, diversos estudos demonstram que o processo de escrita manual ativa partes importantes do cérebro relacionadas à memória e ao aprendizado; quando escrevemos à mão, tendemos a processar a informação de maneira mais profunda. A necessidade de condensar e reorganizar pensamentos de forma legível pode levar a uma maior reflexão sobre o conteúdo, o que melhora a compreensão e a retenção.

    Outro método que me ajudou e ajuda bastante é praticar exercícios físicos, percebo que quando pratico alguma atividade física, seja o Muay Thai ou mesmo a Musculação, minha concentração nos estudos também melhora e sinto que rendo mais; pesquisando a correlação deste fenômeno, descobri que o exercício físico melhora a circulação sanguínea, aumentando o fornecimento de oxigênio e nutrientes para o cérebro, o que pode melhorar a função cognitiva e a capacidade de concentração; também ajuda a diminuir o nível de cortisol, aquele responsável por nos deixar estressados, consequentemente a mente fica mais calma e equilibrada para raciocinar. 

    Um dos melhores métodos é explicar para alguém o que você esta aprendendo, quando compartilhamos nosso conhecimento não ajudamos apenas quem o escuta, mas principalmente a nós mesmos; uma vez que ao ensinar nos forçamos a organizar ideias e entender o conteúdo em um nível mais profundo.

    Outra maneira que podemos estimular a manter nosso conhecimento sempre ativo é realizar exercícios sobre aquele assunto que estamos aprendendo, faça desafios, baixe aplicativos de quizzes e se teste, assim você terá uma noção mais palpável de qual é o seu real nível de conhecimento. 

    Faça uma linha do tempo para ver o quanto você evoluiu no seu aprendizado, ficar pensando somente no que falta aprender pode te dar a falsa sensação de estagnação ou de que esta muito atrás dos outros, quando na verdade, se olhar para sua trajetória ate aqui, verá quanta coisa você já superou e progrediu; isso servirá de incentivo naqueles dias difíceis. 

    Existem vários métodos e formas de se aprender um conteúdo que vai muito além do ensino tradicional, passivo, monótono e decorativo; não existe uma receita de bolo única e padrão, esses métodos que compartilhei funcionaram comigo e espero que possam funcionar com você também; teste-os, veja quais ou qual funciona para sua realidade e sua capacidade de foco e concentração; muito provavelmente o problema não é falta de inteligência, mas a forma como esta tentando aprender que não funciona da melhor maneira para você, pesquise sobre outras técnicas e métodos, há inúmeras e alguma com certeza irá te ajudar, mas só saberá quando por em pratica. 


    Referências:


    Balota, M. P. R., & Passos, J. C. (2012). Atenção e memória: O impacto da distração no desempenho acadêmico. Revista Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 16(2), 209-217.

    Cirillo, Francesco. The Pomodoro Technique: The Life-Changing Time-Management System. Random House, 2018.

    Mueller, P. A., & Oppenheimer, D. M. (2014). The Pen Is Mightier Than the Keyboard: Advantages of Longhand Over Laptop Note Taking. Psychological Science, 25(6), 1159-1168. 

    Robinson, Ken. Escaping Education's Death Valley. TED Talk, 2013.

    Silva, C. E. (2015). Atenção sustentada: Mecanismos e fatores que afetam a performance (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

    Warm, J. S., Parasuraman, R., & Matthews, G. (2008). Sustained attention in human performance. Human Factors: The Journal of the Human Factors and Ergonomics Society, 50(3), 449-455.




    Compartilhe
    Comentários (1)
    Ronaldo Schmidt
    Ronaldo Schmidt - 18/06/2024 19:45

    Realmente muito bem feito sua dissertação.

    Excelente como descreveu cada método e os resultados que obteve.

    Na minha opinião a parte mais importante para se aprender é realmente tentar entender o porquê!

    Quando entendemos o que estamos fazendo abrimos um leque de possibilidades!

    E não tenha medo de arriscar...a vida é uma aventura e devemos explorar ao maximo as possibilidades.

    Boa jornada e bons estudos.

    Obrigado por compartilhar!