Maria Costa
Maria Costa16/06/2024 20:40
Compartilhe

LEGO - Mais um caso de sucesso do Scrum

    LEGO - Mais um caso de sucesso do Scrum

    Documento em PDF no Github: https://github.com/ClaraCosta/LEGO-Case-de-sucesso-do-Scrum/blob/main/LEGO%20-%20Mais%20um%20case%20de%20sucesso%20do%20Scrum.pdf


    Sumário

    1.0 - Conhecendo a empresa

    2.0 - Realidade antes da implementação

    3.0 - Reconhecimento da oportunidade de mudança

    4.0 - Marco Inicial - Início do ágil 3

    5.0 - Principais resultados

    6.0 - Referências

    1.0 - Conhecendo a empresa

    LEGO é uma empresa dinamarquesa fundada em 1932 por Ole Kirk Christiansen, focada inicialmente na produção de brinquedos de madeira. Em 1958, introduziu os famosos blocos de construção de plástico interconectados que a tornaram mundialmente reconhecida. A filosofia da LEGO gira em torno da criatividade e do aprendizado através do brincar, com produtos que abrangem várias faixas etárias e interesses.

    2.0 - Realidade antes da implementação

    Desde 2005 a LEGO já atuava com alguns princípios de ágil antes da “virada de chave” em trazer a agilidade como cultura. O conhecimento  sobre agilidade foi sendo espalhado dinamicamente através dos desenvolvedores, e por volta de 2009, com o desenvolvimento do LEGO Universe (um Massively Multiplayer Online Game), quando  houve uma certificação em Scrum, por Ken Rubin. 

    Com o fim do LEGO Universe anos depois, as práticas ágeis já eram realidade em alguns espaços da organização.

    3.0 - Reconhecimento da oportunidade de mudança

    Mesmo com times com aspectos ágeis atuantes (dado dessa forma por não existir um marco formal), foi percebida uma dificuldade de comunicação, e de entrega de projetos incrementais e integráveis.

    Diante das dificuldades em manter constância no uso da agilidade no dia a dia das equipes, juntamente com o crescimento da LEGO, em 2014 foi iniciada a implementação de um modelo SAFe, buscando uma abordagem mais tradicional. Essa abordagem sofreu uma série de adaptações, como por exemplo, a implementação de um nível de controle.

    4.0 - Marco Inicial - Início do ágil

    Com isso, para a migração definitiva e implementação eficiente de um projeto ágil, foi planejado um “big room planning”, onde pessoas foram deixadas como encarregadas para criar um planejamento para os próximos 2 meses. 

    Nesse primeiro “evento”, foi formalizado o surgimento do primeiro backlog em modelo Scrum: de modo com que cada integrante da reunião extraísse seu item, inserisse em uma sprint pensada para seu time, e com o encerramento/entrega do item do backlog, um novo (item) era iniciado.

    Para Thyrsted, os principais pontos de benefício do big room planning foram:

    Rápida tomada de decisão;

    • Transparência;
    • Empoderamento;
    • Identifica dependências e complexidade;
    • Socialização;

    Nas palavras de Henrik Kniberg (um dos treinadores ágeis do grupo) “Transformamos toda a organização do DS em uma equipe de equipes, introduzimos uma cadência de sprint compartilhada, sincronização descentralizada e gerenciamento de dependências, além de eventos de planejamento em grande escala a cada 8 semanas. Isto teve muitos efeitos positivos, não só para a DS, mas também para outros departamentos com os quais colaboramos”.

    A fala de Kniberg a respeito de trazer os integrantes da organização para “equipes de equipes” é uma informação muito válida quando trazemos para o contexto do Scrum, visto que, cada Scrum Team possui uma quantidade pequena de integrantes, e para a aplicação em uma grande organização, o ideal (e que também foi aplicado para a LEGO) é segmentar as equipes, para que dessa forma, exista um trabalho mais otimizado e organizado (embora “separado”), mas sempre focando no mesmo produto.

    5.0 - Principais resultados

    Os resultados alcançados diante disso foram muito interessantes para a análise dessa case, e dos conceitos internalizados durante os estudos da framework Scrum:

    • Com times autogeridos, várias atividades burocráticas foram descartadas;
    • Um dos principais pontos destacados pelo próprio Scrum Guide, é a importância de que todo Scrum Team precisa ser auto gerenciável, e possuir toda a permissão necessária para realizar suas entregas com menor quantidade de impedimentos possível.
    • Mais tempo disponível para colaboradores dedicarem-se em atividades realmente produtivas;
    • Mais uma das características, é o foco de cada um dos envolvidos no produto. Dessa forma, cada um dos participantes do time poderá focar exclusivamente naquilo que ele deve fazer, sem que existam distrações ou insatisfações voltadas às entregas das demais equipes e/ou participantes do squad.
    • Times ágeis com maior previsibilidade de resultado (graças ao planejamento das sprints);
    • Outro ponto importantíssimo dessa situação é a inspeção (tão citada no Scrum Guide), onde pode ser analisado todo o trabalho feito, mesmo sem existir uma entrega final por parte do encarregado. Isso graças ao planejamento realizado durante as cerimônias Scrum.

    6.0 - Referências

    O Ágil na LEGOhttps://www.infoq.com/br/news/2017/11/agile-lego/

    Metodologia ágil na LEGO: https://www.linkedin.com/pulse/metodologia-%C3%A1gil-na-lego-nathan-fernandes-ign%C3%A1cio/ 

    DIO Scrum Master Certification (Imagem): https://hermes.dio.me/tracks/ce836317-7430-419d-850e-9d113e607b2e.png

    Compartilhe
    Comentários (0)