Article image
Monica Cardoso
Monica Cardoso05/05/2023 20:22
Compartilhe

BANCO PAN JAVA DEVELOPER E GRUPOS SUB-REPRESENTADOS

  • #Desperte o potencial
  • #Equipe Motivada
  • #Job To Be Done

ūüĒä Escute essa publica√ß√£o clicando aqui!


Mais um bootcamp est√° chegando em sua data de t√©rmino e novamente estou aqui para destacar fatos relevantes sobre o programa a fim de fomentar um debate e gerar reflex√Ķes em todos.


O primeiro programa em parceria com o Banco Pan já chegou sugerindo o bootcamp para as minorias e vemos que esse é um tema recorrente, mas que parece não ser compreendido por muita gente da forma como deveria. Seja pelo preconceito, seja pela falta de informação ou qualquer outro fator, a verdade é que independente do quanto a tecnologia evolui existe uma parcela da população mundial que parece ter parado no tempo e não sai do lugar.

ūüĒĻ Antes de mais nada, vamos √†s defini√ß√Ķes:

Grupos sub-representados, minorias ou menos privilegiados são termos semelhantes que fazem menção a um mesmo grupo, pessoas que por qualquer razão não têm as mesmas oportunidades na vida que a maioria tem. Muitos dirão que é apenas por falta de esforço, interesse e/ou dedicação que essas pessoas não conseguem destaque e eu como parte desse grupo já ouvi inclusive da minha própria família que eu não conseguia meu lugar no mercado por não ser boa profissional. Sim, porque quando se faz parte de uma minoria é bem comum que as pessoas simplesmente não acreditem em você.

Exemplos de indivíduos que se enquadram na descrição acima são:

  • Mulheres;
  • Pessoas com mais de 50 anos;
  • Pessoas com defici√™ncia;¬†
  • Pessoas de etnias diferentes da dominante como negros e ind√≠genas;¬†
  • Pessoas LGBTQIAP+;
  • Pessoas refugiadas.

ūüĒĻ Grupos sub-representados e o mercado de trabalho

Aqui é o ponto mais confuso pra mim. Sério. Leia a lista acima e me responda: Por que essas pessoas têm menos oportunidades?

O tipo de aparelho reprodutor n√£o diminui a capacidade de um ser humano em desempenhar uma fun√ß√£o em um escrit√≥rio, por exemplo. Pessoas mais velhas deveriam ser vistas como mais s√°bias e mais experientes, que t√™m muito a nos ensinar. Defici√™ncias n√£o necessariamente impedem algu√©m de exercer fun√ß√Ķes de lideran√ßa, mas ainda assim n√£o encontro ofertas de trabalho para pcd voltados a cargos de maiores n√≠veis hier√°rquicos. A cor da pele de um indiv√≠duo tamb√©m n√£o define absolutamente nada que n√£o seja o seu exterior e apar√™ncia. E eu n√£o preciso falar sobre sexualidade ou pa√≠s de origem, preciso?

Em um mundo em que o networking é a nova moda fica bem claro que as pessoas estão dando cada vez mais ênfase a se aliar com quem pensa da mesma forma e nunca se abrir para o novo, mas só existe evolução quando encaramos novos pontos de vista e novas experiências, do contrário estaremos caindo no caso que eu citei no início do artigo. Não seja você também uma pessoa parada no tempo.

ūüĒĻ Banco PAN Java Developer e grupos sub-representados

O texto acima foi apenas uma pequena explica√ß√£o para levantar alguns fatos que observei no bootcamp citado no t√≠tulo. Apesar do programa ser voltado para v√°rias minorias, fica dif√≠cil identificar essas minorias ao olhar o ranking do mesmo, por exemplo. Se n√≥s formos observar a quantidade de mulheres entre os 30 primeiros colocados, encontraremos apenas 4 pessoas contando comigo. Mais uma vez convido outras mulheres a publicarem aqui suas coloca√ß√Ķes se quiserem e eu atualizarei a imagem assim que poss√≠vel!

image

Continua com a colaboração das demais envolvidas!

Se levarmos em considera√ß√£o apenas esse n√ļmero come√ßaremos a nos perguntar o que faz com que a quantidade delas seja t√£o menor se comparada √† quantidade de homens? E n√£o, eu n√£o estou dizendo que os homens est√£o assumindo um lugar que deveria ser nosso, eu estou me perguntando por que tantas mulheres decidiram n√£o participar do programa, e se participaram, por que n√£o conclu√≠ram?


ūüĒĻ Como as ferramentas dos bootcamps poderiam aumentar o engajamento?

Como sabemos quem na plataforma faz parte de alguma minoria? Seria legal que fosse possível encontrar essa informação visível no perfil dos usuários (claro, com o consentimento deles). Sabe o que seria legal também? Poder filtrar a página do ranking por categorias e visualizar um ranking personalizado só com as participantes femininas, ou só com as pessoas acima dos 50 anos, etc. Ter esses dados expostos para que a gente possa ver que sim, essas pessoas estão ali, elas não são apenas dados estatísticos ditos em lives!

Fica mais fácil seguir trilhando o mesmo caminho quando não se está sozinho. Eu que tenho TEA gosto de encontrar outras pessoas que também têm. Muitos outros usuários provavelmente também gostariam de encontrar pessoas que vivem a mesma realidade para facilitar a compreensão, a troca de experiências e criar laços verdadeiros.

Eu realmente acredito que uma intera√ß√£o mais significativa poderia ajudar essas pessoas a se manterem motivadas a continuar e talvez at√© criar la√ßos para o resto da vida por meio das ferramentas de comunica√ß√£o e intera√ß√£o. De quais ferramentas estou falando? Elas est√£o listadas na aba ‚Äúsobre‚ÄĚ de cada bootcamp:

image

Existem duas ferramentas de interação, o que pra mim deixa algumas coisas dispersas.

1. F√≥rum: As intera√ß√Ķes de qualidade j√° at√© foram apelidadas de ‚Äúintera√ß√Ķes em quantidade‚ÄĚ por causa das in√ļmeras publica√ß√Ķes que s√£o feitas apenas para garantir a pontua√ß√£o IQ dos bootcamps. Usu√°rios est√£o at√© publicando vagas de emprego externas, textos criados por IA e pl√°gios de conte√ļdos do MEDIUM. Muitos concordam que os f√≥runs precisam de melhorias e eu quero dar destaque a algumas publica√ß√Ķes:

2. Rooms: Por ser uma ferramenta separada da outra área de interação (fórum) é frequentemente esquecida, e dos poucos que usam, muitos não sabem direito como utilizá-la. Se não bastasse isso, ela segue com os problemas que eu citei nesse tutorial que eu escrevi sobre ela: [GUIA] Explorando a área de Rooms.

Se √© pra ser um chat, por que n√£o ser como os das redes sociais? Um chat minimizado com notifica√ß√Ķes vis√≠veis atrairia muito mais a aten√ß√£o de quem est√° usando a plataforma.¬†

3. Matriculados: O nome da aba na verdade √© ‚Äúpessoas‚ÄĚ e nela podemos encontrar uma lista paginada com todos os inscritos no programa.. Mais uma vez quero sugerir que essa √°rea seja mesclada com a √°rea do ranking, assim podemos ver n√£o s√≥ quem est√° participando, mas a coloca√ß√£o no ranking de todos esses participantes.

Certificado: Já que essa aba faz parte da lista disponível no site, gostaria de comentar sobre ela mesmo que não faça parte das ferramentas que estava citando acima. Caso não tenham percebido, a mesma segue com o problema de enviar um email com o certificado de conclusão toda vez que é acessada, mesmo depois da área de bootcamps receber o novo layout. 

image

Minha caixa de entrada ap√≥s receber v√°rias notifica√ß√Ķes sobre o certificado de conclus√£o.


Voc√™ a√≠ que concluiu um bootcamp! Visite a p√°gina dele e fique entrando e saindo da aba ‚Äúcertificados‚ÄĚ e em breve ter√° bastante coisa nova na sua caixa de entrada de emails hahaha. Ali√°s, o certificado de conclus√£o dos programas deixa um pouco a desejar, n√£o acha?


ūüĒĻ Como o certificado e o ranking poderiam melhorar?

Recentemente um usu√°rio escreveu o artigo ‚ÄúDica para a DIO‚ÄĚ onde falou brevemente sobre o problema de n√£o saber a pr√≥pria pontua√ß√£o em cada curso, o que eu j√° comentei em algum lugar por aqui tamb√©m. N√£o temos como melhorar sem sabermos onde estamos errando, seria √≥timo termos uma esp√©cie de boletim nem que fosse ap√≥s o t√©rmino do bootcamp em que participamos. E √© aqui que entra o certificado de conclus√£o.

Sendo um certificado com uma carga hor√°ria consider√°vel √© imprescind√≠vel que ele contenha uma descri√ß√£o das atividades realizadas no programa, bem como o desempenho do aluno no referido programa. V√°rios problemas seriam resolvidos dessa forma: O aluno teria documentados todos os pontos onde ele ainda precisa melhorar, al√©m de todo o conte√ļdo que estudou e como plus a coloca√ß√£o em que ele ficou no ranking daquele programa.

J√° reparou que temos badges para v√°rias coisas na plataforma? Cada m√≥dulo possui uma, o curso de ingl√™s tamb√©m tem as suas, o ranking semanal tamb√©m‚Ķ Mas n√£o temos uma badge para a nossa coloca√ß√£o nos rankings dos bootcamps, por exemplo. A √ļnica forma de saber a nossa coloca√ß√£o √© acessando a p√°gina do programa em quest√£o.

Uma boa coloca√ß√£o no ranking n√£o √© s√≥ uma forma de conseguir pr√™mios, √© uma forma de mostrar todo o seu esfor√ßo nos seus estudos e o qu√£o longe conseguiu chegar, √© uma marca da evolu√ß√£o do usu√°rio e pra mim ela √© mais importante do que todas as outras citadas acima. Pequenos detalhes como esse podem passar despercebidos para a maioria, mas imagine o impacto que eles podem gerar, principalmente para algu√©m de uma minoria. Ser reconhecido. √Č apenas isso que n√≥s queremos.


ūüĒĻ Esse texto foi pensado com o objetivo de manter as minorias por aqui!

Sejam as mulheres ou sejam outros grupos, a verdade é que todas as pessoas que fazem parte de alguma minoria já ouviram muitas promessas... E se já não bastasse a falta de fé para acreditar que dessa vez vai ser diferente, muitas vezes nós nos deparamos com aqueles que tentam nos desmotivar, nos fazer desistir ou até nos atacar psicologicamente.

Nosso mundo é um mundo estranho onde as pessoas gostam de se separar em grupos e limitar as coisas boas apenas para alguns. Esse modelo de realidade já está tão marcado para as minorias que de pouco em pouco quem se vê deixado de lado vai desistindo. 


A √ļltima pergunta que eu quero fazer a voc√™ hoje √©: Como essas pessoas poderiam ter mudado o mundo se elas tivessem tido oportunidade?

Compartilhe
Recomendado para você
  • Curso CSS Developer
  • Curso Golang Developer
  • Curso IoT Specialist
Coment√°rios (13)
Monica Cardoso
Monica Cardoso - 07/05/2023 15:52

Acrescentei mais uma boa cr√≠tica construtiva sobre os f√≥runs na lista de publica√ß√Ķes do artigo:

Estamos discutindo o impacto do flood nos bootcamps e codecamps e como esse sistema poderia melhorar pra ser mais benéfico a todos e evitar exploits.

André Bezerra
André Bezerra - 07/05/2023 13:41

S√£o tantos pontos que poderiam alavancar a personalidade da DIO perante as outras plataformas, que eles deveriam aproveitar muito mais as publica√ß√Ķes com PONTOS de AN√ĀLISE (construtivos).

Olival Neto
Olival Neto - 05/05/2023 22:35

Gostei demais de te ouvir, Monica. Senti uma top voice, LinkedIn, aqui. Parab√©ns pelo artigo e iniciativa. Senti que precisava falar isso. Voltando ao conte√ļdo do artigo, uma das perguntas que sempre me fa√ßo √©: 'O que essa tecnologia vai, realmente, me trazer algo de bom?"


√Č normal a gente entrar num bootcamp, passar por uma imers√£o, confiando na plataformas e nos professores, mas... como isso realmente pode me trazer uma oportunidade de trabalho? Essa √© a grande pergunta.


O certificado vai para o currículo, para as plataformas de vagas online. Isso, nós sabemos. Mas, qual seria o meu diferencial, na hora de me cadastrar em tal plataforma, com cerca de 1000 concorrentes, ou mais, e ter a chance de ser notado?


Essas perguntas surgem quando a gente aumenta o volume de candidaturas, em diversas plataformas, e faz uma análise da nossas habilidades técnicas atuais.


Por isso, deixo a vis√£o. Bootcamps nos ajudam a acelerar. Mas, acelerar para onde?


Confesso que recebi mais oportunidades de trabalho postando no linkedin, sendo visto por recrutadores, e refinando cada vez mais meu perfil, do que me candidatando em vagas nas plataformas online.


Vou até criar um artigo neste sentido, para ver o que a galera tem enfrentado. Gosto daqui, porque temos a oportunidade de conversar, trocar ideias, diferente de outras plataformas. Gosto dessa socialização.


A representatividade... minorias, inclusão social. Acredito que é um desafio interessante a ser superado. Particularmente, eu me lembro de um congresso que fui em 2013, que se contava as pessoas pretas e pardas, na área da tecnologia, num congresso a nível latino-americano, aqui no Brasil.


De 2013 para c√°, mudou muita coisa, mas √© algo que ainda precisa ser melhorado, em v√°rios sentidos, a n√≠vel global. Na minha regi√£o mesmo, as oportunidades s√£o raras. Isso me obriga a aumentar ainda mais meu n√≠vel de compet√™ncia e explorar outras regi√Ķes (Brasil ou exterior).


Mas, sinceramente falando, acredito fortemente, que a nossa voz precisa ser ouvida, em diversos canais. Linkedin, Youtube, Facebook, Instagram, Tik Tok, Youtube.


Digo, a n√≠vel de gerar conte√ļdo de valor, boas reflex√Ķes, de uma forma que gere engajamento, networking, oportunidades. Falo isso, pois publico v√≠deos no Youtube, sobre tecnologia e vejo que existe muita demanda por conte√ļdos de valor.


Principalmente, por conte√ļdos que nos ajudem a pensar na carreira profissional, economizar tempo, seja nos estudos ou na busca de oportunidades, assim como, algo que nos fa√ßa sentir realizados, alcan√ßando nossos objetivos e bons depoimento, hist√≥ria de supera√ß√£o.


Mostrar a nossa voz, a nossa essência, o nosso conhecimento para o Mundo.


Gostei demais da tua reflex√£o.

Te add no Linkedin.


Continue com teus artigos, postagens, gerando valor e conte√ļdos legais. Quando a gente entra em movimento, a gente encontra outras pessoas que est√£o no mesmo movimento, e assim, constru√≠mos algo melhor, maior, e geramos as nossas pr√≥prias oportunidades.


Deixo a vis√£o para a turma.

Sei que pode gerar um desanimo, durante a jornada. N√£o era para ser algo normal.

Mas, não podemos jogar todo o esforço fora não é mesmo?!


Quanto maior for a nossa maturidade e capacidade de visualizar o cenário atual, das vagas, das tecnologias, das empresas, e a nossa própria realidade, mais assertivos ficamos.


Logo, chegaremos ao nosso objetivo.

Não é fácil. Mas, é possível e real.


Sucesso a todos.

Siluana Gomes
Siluana Gomes - 05/05/2023 22:23

M√īnica, quase nunca leio os artigos aqui da Dio ( menos ainda escrevo ūü§∑‚Äć‚ôÄÔłŹ)

Mas valeu super a pena ler seu texto, me trouxe muitas reflex√Ķes e insights.

Parabéns pela dedicação e grata pelas palavras

Monica Cardoso
Monica Cardoso - 05/05/2023 21:35

Giovanni, sim, são muitas promessas onde o cumprimento das mesmas é praticamente inversamente proporcional. Muito desse discurso tem como objetivo unicamente promover uma imagem positiva para a empresa que diz se importar com o tema e com inclusão.

Essa semana mesmo encontrei no LinkedIn pessoas falando sobre "...aprender a excluir os outros causando menos dor..." e esse era um dos coment√°rios com maior quantidade de likes.

O que eu posso te garantir é que essas pessoas também vão envelhecer!

ūüėČ

Rodolfo Santana
Rodolfo Santana - 12/05/2023 10:09

Pior que o ctrl-c ctrl-v est√° bravo l√° no forum XD mas fiquei feliz que sempre tinha gente ajudando por l√°.


Na parte da pontua√ß√£o eu estava pensando em pegar as requisi√ß√Ķes que o front da dio faz para o backend e ir atualizando a cada curso que eu ia fazendo para fazer um gr√°fico de evolu√ß√£o dentro do bootcamp, mas faltou tempo kkkkkk


√ďtimo post Monica! O escute sua publica√ß√£o ficou muito bom.

MC

Marcello Cruz - 08/05/2023 11:41

Eu acho que a resposta simples para as empresas não se interessarem pelas minorias é a mesma da natureza: lei do menor esforço. Cada uma dessas minorias possui problemas potenciais que a empresa assume quando faz a contratação.

E eu nem sei se todas essa classes de pessoas s√£o minorias no Brasil, afinal, "importamos" as defini√ß√Ķes dos problemas dos EUA para c√° sem nenhum pudor. Por exemplo, mulheres n√£o s√£o minorias em quase nenhum pa√≠s. Tome a China, por exemplo, que tem d√©ficit de mulheres. Negros nos pa√≠ses africanos, e no Brasil, tamb√©m n√£o s√£o. No Brasil, ser negro √© como ser mulher, hoje em dia. Daqui a pouco teremos mais ind√≠genas do que outras etnias, j√° que cada um pode definir o que acha que √© como sendo verdade. O mesmo parece estar acontecendo com a turma LGBT...., que parece aumentar a cada dia. E isso talvez tenha a ver com as mais de 50 op√ß√Ķes sexuais (antes era bem mais simples, com somente 3 op√ß√Ķes).

Da lista, o que realmente parece ser minoria são as PCD, refugiados e, provavelmente, trans (levando em conta que cis são homem e mulher biológicos). Nem mesmo pessoas com mais de 50 eu considero minoria, pois nossa população está envelhecida, o que excluiria os mais velhos.

Eu mesmo faria parte de duas das minorias citadas, mas evito ao máximo usar isso em qualquer situação, pois não considero que seja a abordagem correta. Quando uso é por causa do algoritmo que automaticamente usa uma informação fornecida para fazer a inclusão automática. Por exemplo, pela idade o algoritmo decide que você faz parte de uma minoria ou, ao informar a etnia o algoritmo decide que você deve fazer parte de uma minoria. Sempre que tenho a oportunidade de dizer se quero participar como uma dita minoria eu respondo não.

Sei que muitos pensar√£o (ou dir√£o) que meu coment√°rio √© discurso de √≥dio, mas N√ÉO √Č. √Č somente uma constata√ß√£o de uma narrativa que n√£o representa totalmente a realidade. Eu acho que falta uma conversa franca sobre esses problemas, pois √© muito f√°cil se sentir v√≠tima.

O mais interessante foi a autora postar sua coloca√ß√£o num bootcamp, talvez para corroborar que ele seria uma v√≠tima do sistema malvad√£o. Ora, a plataforma da DIO √© um jogo, n√£o a vida real. Basta a pessoa ter muita vontade para ficar em primeiro lugar, mas isso n√£o prova nada, pois existem crit√©rios objetivos e subjetivos para uma contrata√ß√£o. Muitas pessoas n√£o gostariam de trabalhar com pessoas que se sentem v√≠timas, afinal, de algum modo todos somos v√≠timas de algo, mesmo que seja de n√≥s mesmos. Homens brancos pobres tamb√©m poderiam ser v√≠timas naquela rela√ß√£o, se us√°ssemos os mesmos par√Ęmetros, mas isso contrariaria a narrativa.

No fim, a √ļnica coisa que me parece certa √© ningu√©m deveria ser culpado por nossos problemas.

Ramon Pess√īa
Ramon Pess√īa - 09/05/2023 13:33

Parab√©ns pelo artigo,M√īnica. O que mais vejo √© muito mais conversa fiada do que realmente algo mais concreto em rela√ß√£o a inclus√£o/diversidade por parte das empresas e em na maioria dos casos as empresas usando ou seja se aproveitando de toda essa quest√£o para obterem mais visibilidade, pois pouquissimas empresas tem algum tipo de comprometimento, com a diversidade/inclus√£o, ou seja na maioria das empresas √© muito mais propaganda para se auto promoverem, mas na pratica e bem diferente.


Vemos pessoas 40+ tentando uma recoloca√ß√£o no mercado de trabalho , ralando para conseguir uma oportunidade, pessoas pretas/pardas entre outros grupos lutando por oportunidades e, v√°rios casos de mulheres que recebem menos que um homem mesmo exercendo a mesma fun√ß√£o. Vou repetir, o que a maioria das empresas fazem √© apenas a velha e conhecida conversa fiada, pois o que elas fazem √© muita propaganda para se auto promoverem e pouca atitude e comprometimento, √© a pura hipocrisia e conversa fiada o que elas pregam/falam em rela√ß√£o ao que realmente elas fazem, o linkedin ent√£o ta repleto de perfis de empresas entre outros perfis com tanta fal√°cias e conversa fiada/hipocrisia, sem contar umas publica√ß√Ķes e coment√°rios que eu tamb√©m vi no linkedin que s√£o algo grotesco e bizarro pra dizer o minimo.

Giovanni Rozza
Giovanni Rozza - 05/05/2023 21:19

Vejo muita conversa de inclusão de minorias nas empresas mas só isso. conversa pra boi dormir. Propaganda ESG mas aplicação prática quase nula, eu (e muitos outros de minha idade) sou um exemplo claro disso.

Adriano Araujo
Adriano Araujo - 08/05/2023 12:20

Os pontos propostos deveriam ser ouvidos pela Dio urgentemente.

Parabéns pelo artigo, uma reflexão altamente necessária.



André Bezerra
André Bezerra - 05/05/2023 20:36

A diversidade √© uma caracter√≠stica que precisamos Valorizar por contribuirem com vis√Ķes qualitativas para o ambiente de envolvimento.

Gabriel Gregorio
Gabriel Gregorio - 06/05/2023 00:47

"Não temos como melhorar, sem saber onde estamos errando" Olha...isso foi muito profundo, eu sempre leio seus artigos mas eu vi o áudio e fui testar, parabéns pelo artigo e o áudio, ficou bom demais! (Eu apenas ouvi!).

Acredite M√īnica, Voc√™ ser√° uma grande l√≠der!, estenda a sua preocupa√ß√£o, n√£o s√≥ pelas minorias mas sim para todas as pessoas.

Grande abraço!

Bons estudos! \o/

Se você fala bonito pra demonstrar sua inteligência mas com isso ninguém é capaz de te entender, então você não está de fato sendo inteligente.
Recomendado para vocêCatalog